517320915023666

TDAH Fortaleza

TDAH Fortaleza. Psicoterapia e Coaching Fazemos indicações para especialistas de nossa confiança. ferbryt@gmail.com

       Programa de Habilidades educativas para mães e pais


Prof. Fernando Bryt Trosman



Apresentação

Embora o caminho por excelência da educação em valores morais seja a forma de ensinar às crianças a manejar suas emoções, a reorientar suas condutas inadequadas e a resolver seus conflitos interpessoais, atualmente os pais não são formados para isso.
Educar não é uma ciência, e mais um arte ou um oficio. Ser padre não se ensina em livros ou em cursos, mas os pais podem aprender ferramentas e princípios para realizar melhor a sua tarefa educativa e ser melhores pais.
     Desde o surgimento hasta hoje o programa de Coaching passou por milhares de pais, foi objeto de pesquisas científicas e avaliações de universidades, recebeu  o apoio de governos municipais e de projetos da união europeia, e foi premiado várias vezes na Europa e Latinoamérica. Porém o melhor capital do programa,  foram e seguem sendo os participantes que terminam agradecidos, o maior aprendizado e a maior validade do programa sempre  foram os aportes dos próprios participantes que enriqueceram e seguem enriquecendo o programa com suas experiências.
     O resultado esperado do Coaching para mães e pais é que os participantes  adquiram ferramentas e habilidades educativas para utilizar na sua função parental, adquiram um modelo educativo que lês de mais confiança, melhorem a comunicação familiar e assuam um papel mais positivo e assertivo na educação de seus filhos. Deixando de insistir nas carências e dificuldades para passar a focar na aprendizagem de novas competências e no treinamento eficaz de estas. 

Primeira parte

O seguinte questionario é produto de 15 anos de experiência no trabalho clínico e nos grupos de pais e foi construído no marco de uma pesquisa sobre habilidades educativas na Universidade Estadual do Ceará, com o a orientação do querido Prof. Jackson Sampaio.
Preencha o questionário com a finalidade de criar  uma  base de partida e poder medir você mesmo os resultados no final do programa.

Se interessa continuar no programa solicita as seguintes partes no nosso mural de facebook.




QUESTIONÁRIO  DE HABILIDADES EDUCATIVAS PARENTAIS

Fernando Bryt e colaboradores (2011)

Data:                     /           /             

Quem respondeu o questionário? Mãe (   ) Pai (   )  Outro                               Idade:

Filho(a) Nome:                                                                                                  Idade:

Curso: 

Marque com uma “X” a coluna que melhor descreve seus comportamentos habituais, não o que você pensa, mas sim o que você faz na educação de seu filho. 

NUNCA = 0          AS VEZES = 1             FREQUENTEMENTE  = 2        SEMPRE = 3



0
1
2
3
01.
Lembro que a forma de me comunicar com meu(minha) filho(a) pode afetar o seu comportamento.




02.
Lembro que as respostas que eu dou a meu(minha) filho(a), devido a seus comportamentos, podem modificar os mesmos.




03.
Lembro da importância de minhas respostas a seus comportamentos para a construção da auto-estima de meu(minha) filho(a).




04.
Tento nivelar (igualar) a quantidade de correções que faço a meu(minha) filho(a),  devido a comportamentos inadequados, com a quantidade de elogios que lhe faço devido a  bons comportamentos.




05
Reconheço seus esforços (por menores que sejam) e parabenizo meu(minha) filho(a)  por seus esforços.




05bis
Procuro dar atenção especial a meu(minha) filho(a) quando está  fazendo as coisas bem feitas.




06.
Peço a meu(minha) filho(a)  olhar para meus olhos  antes de lhe dar uma informação ou ordem.




07.
Sou consciente  da importância de não dizer ou pedir mais de uma coisa por vez  quando dou informação ou ordem.




08.
Proponho desafios (reptos) pessoais para ele(a) conseguir novos comportamentos positivos.




09.
Dou apoio ao esforço por estabelecer novos desafios pessoais, com motivação previamente planificada.




10.
Planejo (penso bem antes) ações para diminuir os comportamentos  inadequados de meu(minha) filho(a).




11.
Consigo controlar minhas emoções quando ele(a) não se comporta bem.




11bis.
Os castigos que aplico a meu(minha) filho(a) são mais pensados e planejados que produto de meu estado emocional no momento.




12.
Previno (penso bem antes) e evito situações que possam causar os comportamentos inadequados.




13.
Planejo (penso bem antes) os atos educativos (conseqüências, castigos) que eu posso aplicar a meu(minha) filho(a) quando tem comportamentos  inadequados.




14.
Antes de castigar meu(minha) filho(a), acerto com ele(a) qual será a forma concreta  do castigo, caso ele(a) se comporte de maneira inadequada em determinada situação.




14bis.
Cumpro os castigos combinados previamente.




15.
Planejo conseqüências positivas (prêmios, privilégios) para os comportamentos adequados e esforços de meu(minha) filho(a) 




16.
Cumpro com os acordos feitos com meu(minha) filho(a) sobre as conseqüências positivas (prêmios, privilégios)  pelo bom comportamento.




17.
Cada dia eu reservo um  momento especial e íntimo para brincar e compartilhar com meu(minha) filho(a).




18.
Nestes momentos especiais não critico e tampouco corrijo.




19.
Sou consciente de que quando as situações difíceis  da vida me afetam, o meu comportamento será um modelo para meu(minha) filho(a) atuar da mesma forma em situações parecidas.




20.
Tenho segurança e habilidade para lidar (enfrentar) os ciúmes de meus filhos entre eles.




21.
Escuto a meu(minha) filho(a) sem julgar, quando me conta seus problemas.




22.
Quando tenho um desentendimento (conflito) com meu(minha) filho(a), tento primeiro me colocar em seu lugar e expressar com sinceridade o que estou compreendendo.




23.
Utilizo técnicas de autocontrole (por exemplo, cantar) quando me sinto nervoso(a), furioso(a), raivoso(a),  por seus comportamentos inadequados.




24.
Ensino a meu(minha) filho(a) a decidir entre diferentes opções  (escolhas) para resolver seus problemas.




25.
Planejo (penso bem antes) maneiras e motivações para que ele(a)  possa conseguir fazer sozinho as coisas.




25bis.
Planejo (penso bem antes) maneiras e motivações para que ele(a)  possa colaborar (ajudar, cooperar) em casa e na comunidade. 




26.
Consigo que meu(minha) filho(a)  respeite os horários previamente acertados.




27.
Ofereço  um lugar tranqüilo (sem ruídos, sem televisão) para que possa estudar ou fazer seus deveres escolares.




28.
Consigo que vá para a cama na hora adequada.




29.
Consigo que se levante, pela manhã, por ele mesmo e prepare suas coisas, sozinho, para a realização de suas atividades.




30.
Apoio meu(minha) filho(a) para que consiga alcançar bons  comportamentos por meio de exigências graduais (passo a passo, progressivamente), com desafios concretos.




31.
Quando meu(minha) filho(a) apresenta comportamento inadequado eu aplico um ato educativo (castigo acertado previamente) sem  tentar refletir com ele sobre seu comportamento nesse momento e espero una situação mais tranqüila para falar do assunto.




32.
Tenho clareza sobre os comportamentos concretos que penso que meu(minha) filho(a) necessita modificar.




33.
Transformo o mau comportamento de meu filho(a) em desafios pessoais positivos a ser conseguidos.




34.
Sou consciente de que seus comportamentos acontecem em uma situação contextualizada (lugar, pessoas, acontecimentos anteriores) e conseqüente  (reação das demais pessoas) e que modificando estes fatores é possível modificar os comportamentos.




35.
Observo e penso bem antes, e atuo sobre os antecedentes e conseqüências de seus comportamentos inadequados.




36.
Sou consciente que sou uma das pessoas mais importantes para o desenvolvimento de meu (minha) filho(a) e sou um modelo para sua identidade.




37.
Tento adequar meus próprios comportamentos para ser um modelo cada vez melhor para meu(minha) filho(a).




38.
Sou consciente de que meu(minha) filho(a) aprenderá, sobre o certo/errado ou adequado/inadequado, a partir de meu próprio comportamento, muito mais que de falatório ou sermões.




39.
Combino (pactuo) objetivos a curto, médio e longo prazos.




40.
Consigo impor em minha casa costumes claros, a partir dos quais meu(minha) filho(a) diferencia os momentos para brincar, estudar, comer e dormir.




41.
Acompanho e motivo meu(minha) filho(a) a desfrutar de suas habilidades (esportivas, artísticas, etc.).




42.
Utilizo diferentes maneiras (desenhos, cartas, cartazes, etc.) para indicar aquilo que meu filho tem que fazer  e desta maneira  diminuir o falatório.




43.
Apoio meu(minha) filho(a) para que regule (controle) seus momentos de videogame, de internet, de televisão ou outra atividade absorvente e excitante como estas, de modo a que ele(a) aprenda a parar sozinho(a).




44.
Sou firme no cumprimento dos acordos feitos com meu filho(a), sem ceder ante seus choros, queixas, chantagens.




45.
Consigo um equilíbrio entre a firmeza e o carinho na educação familiar.




46.
Sinto-me seguro(a) nas minhas tarefas ao educar meu(minha) filho(a).




47.
Respeito a  intimidade de meu(minha) filho(a)  e seus espaços pessoais




48.
Falo bem de meu(minha) filho(a) diante de outras pessoas para fortalecer sua auto-estima.




49.
Respeito as decisões de meu(minha) filho(a) sobre sua forma de vestir e seu jeito arrumar o cabelo.




50.
Aceito as decisões de meu(minha) filho(a) sobre seus gostos e interesses.






Some os pontos. Total___________


Copyright © 2012, Coaching para mães e pais. Fernando Bryt. Todos os direitos reservados.